domingo, 5 de setembro de 2010

Quando cresceres...




Pequenino,

Ainda agora chegaste e já conquistaste os corações de tanta gente. Sei que não tens noção disso e não a terás tão cedo, mas és um sortudo. És uma das muitas (ou talvez poucas) crianças que têm a sorte de ter uma família disposta a dar-lhes todo o carinho e protecção que uma criança MERECE receber. Infelizmente, isso não é tão comum como deveria ser.
Tenho pena que não venhas conhecer o mundo numa das suas melhores fases. Vais deparar-te com tanta miséria, tantas tragédias e guerras, tanta destruição.
É por isso que, para um ser tão inocente, frágil e dependente de outros para sobreviver, como és neste momento, é mais do que essencial ter uma família que te ame. Mas quando cresceres vais perceber que existiram muitos meninos como tu que não tiveram essa sorte e talvez fiques admirado pois isso parece tão absurdo. Podes crer que é mesmo. É um mundo cruel e desumano. E sinto-me tão triste por isso. Penso muitas vezes como será o futuro das crianças de hoje. Penso se as gerações futuras conseguirão fazer alguma coisa para mudar o mundo mas creio que as esperanças são poucas e as expectativas não são as melhores.
A raça humana tem vindo a cometer demasiados erros. E, na maioria das vezes, são as pessoas inocentes que sofrem as consequências. Pessoas inocentes como as crianças, pessoas inocentes como tu.
Ainda assim, apesar de toda a miséria que nos rodeia, é impossível não sentir uma réstia de esperança quando olho para as crianças. Quando olho para ti, desejo profundamente que sejas um ser humano íntegro e com carácter, generoso e preocupado com o que te rodeia, com os outros. És tão inocente...todos nós o fomos, é certo, mas a maior parte de nós deixou de o ser. E, infelizmente, talvez te venha a acontecer o mesmo. E eu vou tentar explicar-te porquê.
À medida que fores crescendo, vais fazer cada vez mais descobertas. Vais descobrir e aprender muitas coisas boas mas também muitas coisas más. Vais sentir medo, vais sofrer desilusões, vais cair tantas vezes, vais chorar, vais errar, vais magoar-te e magoar os outros, vais sentir-te sozinho e desamparado mesmo que tenhas imensas pessoas ao teu lado. Foi assim que a maioria de nós perdeu a sua inocência. Parece assustador e, de facto, é, quando nos sentimos pequeninos em comparação com o mundo gigante. Mas com o passar do tempo, perceberás que as coisas nem sempre são tão assustadoras como julgamos. E vais perceber também que é com os erros que nós aprendemos. É normal teres medo, até os adultos têm. Estranho, não é? Mas é verdade.
Mas vais ver que tudo se torna mais fácil com o apoio das pessoas que te amam. E isso não te faltará.
Espero ser uma daquelas pessoas que te ajudarão a levantar quando caíres, que te segurarão a mão quando tiveres medo, que te limparão as lágrimas quando chorares, que te abrirão os braços quando necessitares de alguém para te consolar. Não tenho muito para te ensinar mas pretendo estar sempre disponível para ti, sempre que precisares de mim.
Todos nós precisamos de pilares para nos sustentar. A família é, sem dúvida, o maior pilar, o mais forte e o mais importante. Acredito (e espero) que um dia também sentirás isso.
Quem sabe se, um dia, não serás tu mesmo a ler estas minhas palavras, pouco inteligentes mas muito sinceras (seria um prazer para mim).

Desejo ver-te crescer, ver-te tornar num menino, num rapaz, num homem mas, sobretudo, num ser humano cheio de qualidades éticas, morais e humanas (que já são tão raras e tão difíceis de encontrar hoje em dia). Até lá, espero poder ver-te dar os primeiros passos neste mundo cheio de falhas, defeitos e irregularidades; espero igualmente que nos enchas de alegrias todos os dias.

Sê feliz (fazendo os outros felizes)!

aquela tia tonta que ainda não (re)conheces mas que está bem pertinho de ti
 (e assim ficará enquanto puder).