quinta-feira, 24 de junho de 2010

Férias!

Olá a todos. Independentemente de os exames terem corrido bem ou não (não posso dizê-lo ainda porque não sei), estou de férias.
Agora vou tentar aproveitar ao máximo estes meses (sem pensar muito no futuro porque, de facto, não adianta nada fazê-lo). Só vim actualizar e desejar a todos um óptimo Verão! Finalmente podemos usufruir de algum Sol e calor!

Fiquem bem! :)


(Darkside of the Sun - Tokio Hotel)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Olá a todos. Estou de volta!


Deixei de escrever aqui no blog por várias razões. Primeiro, o meu computador avariou. Depois a falta de vontade de escrever, de disponibilidade e de inspiração também não ajudou.
Entretanto completei 18 anos. Pergunto-me como é que o tempo passou tão rápido e eu quase não me apercebi. Começo a compreender que esta sensação só se acentuará daqui para a frente.
Segundo dizem, aos 18 anos alcança-se a maioridade. Não consigo sentir que sou maior de idade, assim como não consigo sentir que estou mais perto da fase adulta do que da infância.
Hoje acabaram oficialmente as aulas. Teoricamente, o 12º ano está terminado (falta fazer os exames), o que é inacreditável. Mais uma vez, não consigo assimilar como o tempo passou tão rápido. Parece que ainda há pouco tempo estava completamente deprimida e assustada por ir mudar de escola e agora nem sequer sei para onde vou ou o que vou fazer.
Agora que olho para trás, penso que estes três anos foram mais intensos do que os cinco que passei na outra escola. Não ocorreram grandes mudanças na minha vida e não fui mais feliz durante esse tempo. Ainda assim, creio que estes anos foram, de alguma maneira, mais marcantes.
Conheci pessoas importantes com as quais espero não perder o contacto e aprofundei amizades mais antigas. De certo modo sinto que cresci (o que é normal, afinal passaram três anos) mas há partes de mim que continuam praticamente inalteradas e talvez nada (nem mesmo o tempo) as possa modificar.
Hoje foi um dia triste. Estou melancólica e nostálgica. Talvez a metereologia também não ajude muito. Sinto uma certa inquietação e angústia, algo estranho que não sei definir claramente. É óbvio que uma etapa da minha vida termina aqui. Não sei se foi boa ou má; naturalmente, como tudo na vida, teve os seus momentos altos e os seus momentos baixos.
Sinto-me triste por muitas razões. Primeiro pelas coisas boas que assim terminam; em segundo por aquelas coisas que gostaria de ter vivido mas que nunca tive oportunidade de aproveitar (ou talvez tenha tido, apenas nunca me esforcei para isso). No fundo, isso deixa uma sensação de vazio: sinto que ainda havia muito para viver e aproveitar e que não usufruí das oportunidades que a vida me deu. É como se todo este tempo tivesse sido desperdiçado. Há tantas coisas que eu desejava que tivessem sido diferentes. Mas quem pode mudar o que já passou? Agora é tarde demais.
Não me sinto preparada para o futuro mas isso já é habitual. Aliás, quem se sente preparado para encarar o desconhecido? Não há nada mais assustador. E o que mais me atormenta é que sei que falta muito pouco tempo e que, quando der por mim, estarei cara-a-cara com esse monstro aterrador e não terei amigos nem família mesmo ao meu lado para me fazer sentir um pouquinho mais segura.

Por agora, tenho de pensar nos exames. A vontade de estudar, como sempre, é muito pouca e a energia menos ainda.
Estou triste e ponto final. Há dias assim. Não gosto de despedidas e não gosto de mudanças.
Sei que vou continuar a ver aquelas pessoas importantes (ainda que com menos frequência) mas sei também que daqui para a frente nada será igual.

Para todas essas pessoas, um Até Sempre (não gosto de dizer Adeus)!

Fiquem bem!