quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Ano Novo

Mais um ano está a chegar ao fim, mais um ano que passou tão rápido. E mais um novo ano que vai começar.
É impressionante como o tempo passa tão depressa e nós quase nem nos apercebemos.
Como é que este ano fez história na minha vida? (Agora lembrei-me desta expressão por intermédio de alguém :D).
É uma pergunta interessante para se fazer. Sem dúvida que 2008 fez história. Foi um ano pelo qual esperei ansiosamente. Tive várias surpresas. Tive desilusões. E tive vitórias. Mas aquilo de que me lembro com mais emoção foi a realização de um grande sonho. E posso dizer que foi difícil de realizar mas consegui! Afinal quem espera sempre alcança (ou quase sempre).

Que mudanças ocorreram? Talvez nenhuma muito drástica. Todas as mudanças a que assisti foram superficiais. Talvez tenha havido uma ou outra um pouco mais radical mas nada que tenha mudado a minha vida. Mas isto foi o que se passou à minha volta. E em mim, o que terá mudado? Eu diria que todos nós mudamos um pouco a cada dia que passa. É normal que num ano mudemos bastante. Mesmo assim não mudei muito. Não sou a pessoa mais indicada para fazer uma avaliação a meu respeito.
Mas querendo ou não, é claro que mudei. Tudo muda, todos mudamos. Tanto para bem como para mal. Eu mudei em ambos os aspectos. Em algumas coisas mudei para melhor, em outras mudei para pior. E não dá para fugir disso.
Por vezes sinto que sou uma pessoa cada vez mais amarga e revoltada com o mundo. Posso não mostrá-lo com tanta frequência mas sinto que me irrito com tudo muito mais facilmente.
Descobri coisas em mim que não sabia que poderiam existir. Desiludi-me a mim mesma muitas vezes. Mas também me impressionei.
Mais uma vez, alcancei algumas vitórias. E sofri derrotas. Tive medo. Senti-me no fundo do poço algumas vezes. E nem os meus pequenos passos me fizeram sentir mais forte. Nos momentos de fraqueza as vitórias são insignificantes quando comparadas com o que ainda nos falta vencer. A mim falta-me muito. Faltam os passos maiores, os mais difíceis, aqueles que me vão fazer sofrer de verdade. E ainda não sei se estou pronta. Mas quantas vezes temos de nos lançar aos desafios mesmo não estando preparados para os enfrentar? A vida é feita disso. E isso é tão assustador. O futuro é tão assustador. É tudo tão confuso quando não sabemos o que nos espera.
Neste fim de ano sinto-me mais pessimista em relação a tudo. Com menos esperança do que no ano passado. Talvez porque desta vez não tenho a confirmação de que algo muito bom vai acontecer no próximo ano. Talvez porque não tenho nada por que esperar. Talvez entretanto apareça alguma coisa. Mas por agora estou sem entusiasmo.
Tenho medo de crescer e ficar para trás. Ver os outros da minha idade a seguir a sua vida e eu ficar estagnada no tempo. Aliás, é algo que já acontece. Desde sempre. Mas a partir daqui vai ser cada vez pior. Porque tenho 16 anos. Deveria comportar-me como os adolescentes normais. Mas não consigo. E sinto-me cada vez mais deslocada de tudo e de todos. Porque tudo o que é normal para eles, para mim é insuportável; tudo o que é divertido para eles, para mim é deprimente; tudo o que é bom para eles, para mim é repugnante.
Eu devo ser um extra-terrestre ou algo do género.

Bela conversa para finalizar o ano. Deveria estar aqui a desejar um ano cheio de paz, amor, saúde e todos esses desejos habituais, e ao invés disso estou a fazer desabafos deprimentes como sempre. Talvez porque hoje, para mim, é um dia como os outros e o próximo ano será apenas mais um ano como os outros. Nada mais. Não acredito que possa ser diferente.
Mas não querendo estragar o vosso espírito alegre e festivo nem de qualquer modo deixar-vos aborrecidos vou mudar de assunto.
O que desejo para 2009? Nada fora do habitual. O mesmo que tenho desejado todos os dias. Prosperidade, mais esperança, mais sonhos, mais alegria, mais estabilidade, mais conquistas.
Sobretudo, desejo que seja um ano bem melhor que os anteriores. Naturalmente são desejos um pouco utópicos. Mas alguns deles não deixam de ser possíveis. Há muitas coisas que estão ao nosso alcance, nós é que não nos apercebemos ou não queremos aperceber.
Se há coisa que eu quero levar comigo para este novo ano são os sonhos. Penso que são demasiado importantes para serem deixados para trás. São conteúdo obrigatório na minha “bagagem”.

Espero que as derrotas e as desilusões sejam apenas uma "gota de água no oceano" e que eu possa finalmente orgulhar-me das minhas vitórias;
Espero que consiga ser forte o suficiente para erguer a cabeça após as quedas e seguir em frente sem medo;
Espero que o facto de não ver os meus sonhos realizados não me faça desistir deles mas que, pelo contrário, me dê ainda mais incentivo para tentar alcançá-los;
Espero que as pessoas no mundo se tornem um pouco melhores e que a paz se torne mais abundante (algo praticamente impossível).

Desejo o melhor para todos vós, assim como desejo para mim, para os meus familiares e amigos.
Obrigada a todos os que me acompanharam durante este ano, todos os que me encorajaram, todos os que me proporcionaram bons momentos. São esses momentos que ficam para sempre e são essas pessoas que perduram na nossa vida e no nosso coração.
Deste ano vou levar muitas lembranças, nem todas boas, mas é óbvio que são as melhores que vão permanecer comigo por mais tempo e das quais me lembrarei com maior intensidade.
Vou levar sorrisos, vou levar lágrimas, vou levar tristezas, vou levar alegrias, vou levar momentos de entusiasmo, histeria, emoção.
Espero poder viver muitos mais momentos felizes, muitos mais sonhos, muitas mais alegrias. Espero também conseguir fazer alguém sorrir. Na maioria das vezes é mais importante fazer alguém sorrir do que nós próprios sorrirmos.
Espero poder aprender coisas novas com os outros e também poder ensinar-lhes alguma coisa. Quero contribuir para melhorar o mundo. Quero dar mais e receber nem que seja pouco, nem que seja apenas um sorriso de alguém.
Quero mudar. Quero fazer a diferença. Talvez não seja preciso tanto assim, talvez isso não requeira grandes esforços. É mais fácil dizer isto do que agir mas todos podemos tentar.
Que 2009 nos surpreenda a todos, que nos traga o melhor que há no mundo, que faça diferença nas nossas vidas e que nos marque de modo positivo, obviamente.
Continuem a sonhar, continuem a acreditar, continuem a tentar. Lutem por aquilo a que têm direito, lutem por aquilo que vos pertence.
Que o novo ano renove também a nossa vida!

Sejam felizes!