quarta-feira, 14 de maio de 2008

Olá a todos.
Não tenho muito, na verdade, quase nada de especial para vos dizer.
Talvez tenha apenas necessidade de mostrar que estou viva :D
Os meus dias têm sido uma verdadeira monotonia, diria até que são todos iguais. Levantar à mesma hora, fazer as mesmas actividades, sempre ao mesmo ritmo, entrar nos mesmos sítios, andar nos mesmos tranportes, fazer os mesmos percursos, sentar nos mesmos lugares, ver as mesmas pessoas, ouvir as mesmas coisas... Enfim, uma rotina que se repete dia após dia, até criar um ciclo vicioso, do qual muitas vezes não conseguimos sair.
Deve ser normal sentir-me assim, afinal estamos no último período escolar e é difícil fugir ao cansaço. Preciso urgentemente de férias!
Enquanto elas não chegam, vou tentando viver cada dia, tento ser optimista, nem sempre é possível mas com um pouco de esforço as coisas podem acalmar.
Na falta de melhor, tento pensar nos meus sonhos, tento pensar naquilo que me faz feliz, tento sonhar com dias felizes, tento acreditar que tudo é possível. É como se tivesse necessidade de sonhar com coisas que lá no fundo sei que são impossíveis mas o meu coração e a minha mente insistem em não deixar que as esqueça, como se acreditasse que ao pensar nelas posso torná-las reais.
Pode parecer tudo tão absurdo, tudo aquilo que eu digo pode não fazer sentido, mas eu acredito mesmo que tudo é possível. Simplesmente não é para todos.
Ainda hoje li isto no livro de Português:
«Eu creio que sonhar o impossível
É como que ouvir uma voz de alguma coisa
Que pede existência e que nos chama de longe.»
E acho que é pura verdade! Porque é preciso haver alguém que sonhe com as coisas que aparentemente são impossíveis, que as faça parecer reais, é preciso alguém que dê vida aos sonhos, nem que seja apenas na sua mente. Se não tivermos um desafio na vida para que havemos de viver?

Após esta reflexão sobre sonhos (impossíveis ou não) talvez possa voltar à realidade. Há certas coisas que têm vindo a inquietar-me e apercebo-me que por vezes reajo mal com determinadas situações. Exalto-me muito precipitadamente, por vezes digo coisas que não quero dizer, outras vezes sinto-me terrivelmente mal porque acho que tudo o que acontece de pior à minha volta é culpa minha.
Há momentos em que me convenço de que sou mesmo uma pessoa horrível e que as pessoas se afastam de mim porque não sou boa companhia para ninguém.
Isto pode ser paranóia, não sei, mas a verdade é que o sinto! Sei que fiz algumas coisas acertadas e isso melhorou uma parte da minha vida. Mas em outras coisas sinto que estou cada vez pior e sinto também que isso afecta os outros.
Eu queria ser uma pessoa melhor, queria que os outros olhassem para mim como uma rapariga normal e não como uma miúda estranha. Eu sinto que há pessoas que olham para mim e pensam essas coisas. Na verdade, sempre o senti.
Mas eu ainda estou a crescer e se algum dia me tornar uma pessoa normal gostaria que todos estivessem aqui para ver isso. Quando era mais pequena pensava «Um dia vou vingar-me destas pessoas todas», mas na verdade o que sempre quis foi mostrar-lhes que podia ser tão boa como elas. Essa seria a minha vingança: mostrar-lhes que fizeram juízos errados a meu respeito e que ainda se arrependerão disso. Agora, não penso tanto assim. Não quero mostrar nada a essas pessoas, a não ser o meu sentimento de indiferença e até alguma repugnância para com elas.

Enfim, não tenho nada mais a dizer. Talvez tenha andado a pensar um pouco nestas coisas ultimamente, naquilo que eu sempre senti, e não posso deixar de confessar que um dos meus grandes sonhos é poder mostrar ao mundo aquilo que sempre guardei na minha alma. São apenas sonhos.

Aqui fica um videoclip de uma música que adoro, da minha banda preferida, como não podia deixar de ser. Também eles preenchem uma grande parte dos meus sonhos :D
A música é sobre alguém que desiste de viver. Essa pessoa sente que não tem mais motivos para viver, que a sua vida não faz mais sentido e decide acabar com tudo atirando-se de um precipício. Mas há alguém que grita o seu nome, que lhe pede para não saltar, dizendo-lhe que está enganada, que a chama, suplicando que não vá embora.
Eu acho que todos nós já sentimos vontade de desistir de viver em algum momento da nossa vida. Não digo que toda a gente já tenha pensado propriamente em suicidar-se, mas pelo menos alguma vez na vida já se sentiu no «fundo do poço» como se a vida não valesse a pena. Mas acredito, acima de tudo, que todos nós temos alguém que nos tira desse túnel sem fim, que nos pede para voltarmos à luta, que nos estende a mão quando estamos prestes a cair. Todos nós temos alguém que nos protege, e por vezes podemos nem ver essa pessoa mas ela está lá.
E muitas vezes, quando nada nos faz voltar atrás e sabemos que vamos cair, há ainda alguém que se propõe a cair por nós.

Don't Jump-Tokio Hotel

Nunca desistam, por mais sozinhos que se sintam, há sempre alguém a torcer por vós!